Indomável

Escrito por Fábio Rockenbach

Paul Newman (1925 - 2008 )

Se existe um Deus, ele às vezes é um tremendo f.d.p.

Estabelece contratos com cláusulas irrevogáveis quando, em alguns casos, deveria haver incisos revogando certos termos. Não deveria existir câncer para atores como Paul Newman.

Talvez as gerações mais novas não entendam, principalmente porque não se interessam em assistir à filmografia de Newman, o porquê de todo o alvoroço em torno de seu nome. Em sua época, havia Paul Newman, Robert Redford, Steve McQueen. Talvez Delon e Belmondo na França. Com certeza, Mastroianni na Itália. Eram os equivalentes aos grandes astros de hoje. Newman, McQueen e Redford foram para sua época o que Clooney, Pitt e Cruise são para o cinema atual. A diferença? Newman recebeu nove indicações ao oscar, se isso serve para diferenciar físico de talento.

Nove!

Não deveria existir câncer para atores como Paul Newman, mas ao menos existe a imagem para provar que ele circulou por aí.

A vida ás vezes é filha da puta...


Relacionado:

  • A Cor do Dinheiro ( The Color of Money )

    Para lembrar:
  • Marcado pela Sarjeta (1956), Gata em Teto de Zinco Quente (1958), Exodus (1960), Desafio à Corrupção (1961), O Indomado (1963), Butch Cassidy (1969), Golpe de Mestre (1973), Inferno na Torre (1974), Ausência de Malícia ( 1981 ), O Veredito (1982), A Cor do Dinheiro (1986), O Início do Fim (1989), O Indomável (1994), Estrada Para a Perdição (2002)




2 Comentários:

  1. contra-regra disse...

    Um ser inexplicável em suas máximas competências e virtudes artísticas. Um gênio! E uma grande perda para um Hollywood que, cada dia mais, se equilibra na corda-bamba.

    Mídia? Cultura? Acesse
    http://robertoqueiroz.wordpress.com

  2. Pedro Henrique disse...

    A coisa tá ruim esse ano. Paul Newman deixou um legado excelente, isso é importante.

    Abraço!